Duas décadas de ensino na área equestre

Cumpriram-se recentemente 20 anos sobre o início das atividades letivas da formação superior na área equestre da Escola Superior Agrária de Elvas (ESAE), unidade orgânica do Instituto Politécnico de Portalegre. São duas décadas de trabalho e evolução, sem interrupções apesar dos diferentes obstáculos que foram surgindo. É este o ADN desta escola e desta área formativa: superar obstáculos.

A escola evoluiu nas condições físicas e equipamentos de que dispõe, para fazer face à necessidade de uma formação de caráter eminentemente prático, e com a preocupação de dotar os alunos das competências exigidas pelo mercado. Nos últimos anos, aumentou a sua capacidade de acomodação para 42 cavalos, reabilitou a pista de obstáculos e dispõe de um novo conjunto de obstáculos e carriére de ensino para organização de diversos eventos hípicos.

A oferta formativa aumentou, e para além da licenciatura em Equinicultura, única em Portugal e na Península Ibérica e que vai atraindo o interesse de um público nacional e estrangeiro, a ESAE oferece também o curso técnico superior profissional em Desporto e Formação Equestre que permite o prosseguimento de estudos para a licenciatura.

Mas é no sucesso dos seus diplomados que a ESAE vê o maior motivo de orgulho, e obtém força para continuar. Nas pistas de competição, em coudelarias ou centros hípicos, encontramos cavaleiros de Dressage, como o João Torrão, o Pedro Mendes, o Diogo Agostinho e o Ricardo Moura Tavares, de Saltos de Obstáculos, como o Leonel Luís, ou de Endurance, como o João Pedro Lopes. Na Escola Portuguesa de Arte Equestre encontramos a Mariana Boavida, e em atividades equestres ligadas a projetos turísticos de grande qualidade, a Lorena Souza e o João Levita. São estes exemplos, entre muitos outros, em Portugal e no estrangeiro, que representam o maior estímulo para continuar a apostar nesta área de formação, e a acreditar no seu desenvolvimento futuro.

Share this post